-->


Home
Brasília, 21 de janeiro de 2009

ANO XIV

Nº 2770

     

Administração
Estudo da RFB subsidia solicitação de revisão das diárias

O Ministério do Planejamento enviou à Casa Civil da Presidência da República uma minuta de decreto, com uma exposição de motivos, propondo a revisão do valor da indenização de diárias aos servidores públicos federais no País. A iniciativa foi subsidiada por um estudo técnico (RFB nº 037/2008) elaborado pela RFB (Receita Federal do Brasil), que demonstra a defasagem das diárias e solicita o aumento nos valores pagos atualmente.

Em reunião realizada na sexta-feira (16/1) entre o subsecretário de Gestão Corporativa da Receita, Auditor-Fiscal Odilon Neves Júnior, e representantes do Unafisco Sindical, da Fenafisp (Federação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil) e da Anfip (Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da RFB), o presidente do Unafisco, Pedro Delarue, cobrou o reajuste dos valores referentes à diária, à indenização de transporte e ao auxílio-alimentação, oportunidade em que o subsecretário informou sobre a existência do estudo.

De acordo com o documento, o deslocamento dos servidores dos seus pontos originais de trabalho para outras regiões durante a execução de atividades de planejamento, capacitação, fiscalização e repressão, entre outras, tem como contrapartida, por exemplo, o incremento do volume de apreensões de mercadorias e da arrecadação tributária, contribuindo para atingir os objetivos estratégicos definidos pela RFB.

Defasagem - O estudo da RFB ressalta que os valores das diárias estão congelados há 13 anos, desde a edição do Decreto 1.656 de 03/10/1995. Levando-se em conta a inflação acumulada no período 1995/2008, a menor diária corrigida para o grupo dois – que inclui as capitais Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Belo Horizonte, Porto Alegre, Belém, Fortaleza e Salvador – deveria ser de R$ 245,07 e não de R$ 103,10, como é hoje. O valor de R$ 103,10 correspondia a 103% do valor do salário mínimo praticado em 1995. Hoje representa 25% do salário mínimo atual.

Além disso, o estudo compara os valores das diárias pagas pela RFB e por outros órgãos públicos com os valores das diárias cobradas pelos hotéis, como forma de subsidiar a solicitação de revisão dos valores. Por fim, o estudo demonstra a diferença entre o valor das diárias pagas no Poder Executivo - que é aplicado na Receita Federal - no Poder Legislativo e no Poder Judiciário. Em média, as diárias dos três órgãos do Poder Judiciário analisados, TSE (Tribunal Superior Eleitoral), TST (Tribunal Superior do trabalho) e STJ (Superior Tribunal de Justiça), superam em até três vezes o valor pago pela Receita Federal do Brasil.

A DEN considera bem-vinda a notícia da solicitação do reajuste das diárias. No entanto, o Sindicato entende que o valor proposto ainda não é suficiente para suprir as despesas de alimentação, transporte e hospedagem dos Auditores-Fiscais durante suas viagens de trabalho, principalmente quando comparado à indenização paga aos servidores de outros poderes da Federação.

A análise da RFB está disponível na Área Restrita do site do Unafisco.

INÍCIO

Terço de Férias
União deverá suspender contribuição previdenciária

A desembargadora federal Maria do Carmo Cardoso, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, no Distrito Federal, concedeu despacho favorável à petição protocolada pelo Unafisco, no dia 18 de dezembro, denunciando o descumprimento da liminar que garante o não-desconto da contribuição previdenciária sobre os valores pagos a título do terço constitucional de férias.

Com a decisão da desembargadora, a Administração deverá deixar de fazer os descontos, sob pena de incorrer às sanções previstas nos ordenamentos processuais cível e criminal.

O Departamento de Assuntos Jurídicos do Unafisco denunciou o não-cumprimento, após receber inúmeras reclamações de Auditores-Fiscais filiados a partir de 2000 e que, portanto, têm o direito garantido. Os Auditores filiados antes dessa data ainda não tiveram o direito garantido na Justiça, mas o processo ainda está em andamento.

 

Crise financeira
Arrecadação de dezembro cai, mas Governo fala em desonerar

O jornal O Estado de S. Paulo publicou ontem (20/01) a informação de que a arrecadação de dezembro sofreu uma redução de R$ 3,5 bilhões. Em janeiro, a RFB (Receita Federal do Brasil) já teria arrecadado R$ 600 milhões a menos do que o previsto. No período entre 20 de dezembro do ano passado a 10 de janeiro deste ano, o IR (Imposto de Renda) e o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) apresentaram uma queda de 19,3%.

Prevendo a queda na arrecadação, a equipe do Ministério do Planejamento pretende fazer um corte de R$ 26 bilhões no orçamento do Governo Federal deste ano, cuja previsão é de R$ 659,6 bilhões. Os cálculos da RFB, segundo a matéria, são mais pessimistas. O corte terá de ser maior para que as despesas se adéquem à previsão de receita.

Mais desonerações - Mesmo com toda essa previsão de redução de receitas, o Governo pretende desonerar ainda mais o setor produtivo. Também ontem, matéria do jornal Correio Braziliense informa que o presidente Lula pretende anunciar até o próximo dia 28 um pacote de medidas para ajudar os setores mais afetados pela crise mundial.

O presidente quer desonerar impostos e oferecer mais créditos para alguns setores, como construção civil, automotivo, agricultura, calçadista e mobiliário, que estão demitindo em massa. Já está sendo cogitada, inclusive, a extensão do prazo de vigência da redução do IPI sobre o carro zero, inicialmente previsto para acabar em março. O Governo também deve desonerar as compras de máquinas e equipamentos para empresas que se comprometam a ampliar o parque produtivo e criar empregos. Também vai reduzir a zero o IPI sobre insumos usados no setor agrícola.

É uma equação que será difícil de fechar: abrir mão de receita no momento em que o caixa já dá sinais de esvaziamento. Os Auditores-Fiscais continuarão trabalhando para que, mesmo nesse cenário complicado, as metas de arrecadação sejam alcançadas, o que ajudará a diminuir os impactos da crise mundial sobre a economia brasileira.

INÍCIO

FOTO LEGENDA

XI Conaf – A Comissão de Sistematização do Congresso Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil – se reuniu ontem (20/1), em Brasília, para avaliar o evento. O relatório conclusivo será finalizado hoje e segue para os integrantes da Mesa do Congresso, que em seguida enviará as alterações estatutárias à DEN (Diretoria Executiva Nacional).

INÍCIO

 

DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL

 

 

Terço de Férias
União deverá suspender contribuição previdenciária

Crise financeira
Arrecadação de dezembro cai, mas Governo fala em desonerar
FOTO LEGENDA
   
   

Boletim em
formato word