-->


Home
Brasília, 1 de novembro de 2007

ANO XI

Nº 2472

   

Campanha salarial
Mais uma vez sem proposta


Durante a reunião de ontem, nova negociação ficou marcada
para a próxima terça-feira (6/11)

O Governo frustrou mais uma vez as expectativas das carreiras que integram o Fisco Federal e não apresentou nenhuma proposta concreta a respeito de como se dará a remuneração por subsídio, na reunião realizada ontem (31/10). Nova reunião foi marcada para a próxima terça-feira, dia 6. Segundo o secretário de Recursos Humanos do MPOG (Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão), Duvanier Paiva, nesse dia será apresentada uma proposta concreta para debate com as entidades.

Ele acrescentou que a área técnica do Ministério já alinhavou a estrutura da remuneração por subsídio, que seria vinculada a mecanismos objetivos para promoção. Mas ainda não foi possível, segundo suas palavras, “processar” isso com as autoridades governamentais dos três ministérios envolvidos (Fazenda, Planejamento e Trabalho). “Sabemos e entendemos que a expectativa das categorias para essa reunião era outra, mas a tomada de decisão às vezes é um processo complexo e que demanda mais tempo do que gostaríamos”, afirmou.

Duvanier disse ainda que não há, por enquanto, uma alternativa acabada para o problema do fosso salarial. Também ressaltou que outro ponto para o qual ainda não há definição é o salário inicial, porque, segundo ele, é preciso calcular o impacto econômico da proposta idealizada pelo Governo.

Inicialmente o secretário anunciou para a quarta-feira da próxima semana, dia 7/11, a reunião com as entidades, pelo fato de o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, estar fora do país e ser necessária a ratificação dele à proposta do Governo. Mas Duvanier acabou aceitando a ponderação do presidente do Unafisco, Pedro Delarue, de que nesta data os Auditores-Fiscais realizarão assembléia conjunta, podendo deliberar, inclusive, por uma greve por tempo indeterminado. “Respeitamos que o Governo tenha o seu tempo, mas as categorias também têm o seu”, afirmou.

Discussões - O secretário-adjunto da RFB (Receita Federal do Brasil), Jânio Castanheira, que participou da reunião, disse que o secretário Jorge Rachid tem conversado com o Ministério do Planejamento e está acompanhando as discussões.

A convite do secretário, os presidentes do Unafisco, Pedro Delarue; da Fenafisp, Lupércio Montenegro; da Anfip, Assunta Bergamasco; e do Sindireceita, Paulo Antenor, reuniram-se com Jorge Rachid na manhã de ontem. Na oportunidade, foram informados de que o Governo estava fechando a sua proposta, porém, possivelmente, não haveria tempo para formatá-la até o final do dia de ontem.

No entendimento da DEN (Diretoria Executiva Nacional), o Governo, após as seguidas postergações para apresentar uma proposta aos Auditores-Fiscais, parece desconhecer que não está deixando outra alternativa a não ser a radicalização do movimento.

Da parte do Unafisco, todas as ações foram encaminhadas no sentido de se chegar a uma solução sem a necessidade de confronto. A classe se encontra suficientemente preparada e mobilizada para desenvolver as ações necessárias com o objetivo de que sejam atendidas suas reivindicações.

“O prazo do Governo está se esgotando. Hoje e quarta-feira deliberaremos conscientes de que fizemos tudo para que o confronto fosse evitado. Agora, a bola está com o Governo”, afirmou Pedro Delarue, presidente do Unafisco.

INÍCIO

 

Classe
Assembléia decidirá rumos do movimento

Diante da inércia do Governo e do novo adiamento para apresentação de uma proposta definitiva aos Auditores-Fiscais, o Comando Nacional de Mobilização e as diretorias do Unafisco e da Fenafisp (Federação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil) encaminham voto favorável na Assembléia Nacional Conjunta de hoje à realização de uma paralisação de 24 horas no próximo dia 8 (quinta-feira).

No caso de aprovação desse primeiro indicativo, a Classe decidirá ainda a forma dessa paralisação: se será realizada fora da repartição (indicativo 2) e sem assinatura de ponto (indicativo 3). Tanto o Comando como as direções das duas entidades também encaminham pela aprovação desses dois indicativos.

As considerações e os indicativos para a assembléia de hoje estão na Área Restrita do site do Unafisco.

 

INÍCIO

Negociação
Concluídas bases conceituais do SINP

Em reunião ontem (31/10) no MPOG (Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão), foram acertadas as bases conceituais do Sinp (Sistema de Negociação Permanente). Houve somente uma ressalva quanto à revisão geral anual, que deverá ser discutida na próxima reunião, no dia 7 de novembro, em novo encontro entre a Bancada Sindical e o Governo no MPOG.

O início da discussão do próprio Sinp se deu ontem mesmo. A Bancada Sindical apresentou um documento para a análise do Governo em que expõe o que pensa dos elementos constituintes do sistema. Na reunião do dia 7, a discussão prosseguirá.

O diretor de Defesa Profissional do Unafisco Sindical, Rafael Pillar, representou o Sindicato na reunião, que contou com a participação das entidades do Grupo de Trabalho de Negociação Coletiva, do secretário de Recursos Humanos do MPOG, Duvanier Paiva Ferreira, e dos representantes do MTE (Ministério de Trabalho e Emprego).

INÍCIO

 

Assembléia Nacional
DS/São Paulo informa locais e horários

A DS (Delegacia Sindical) do Unafisco em São Paulo comunica os locais e horários para realização da Assembléia Nacional de hoje (1º/11) na capital paulista. Seguem a lista e horários:

 

Manhã, 11 horas

- Derat - Rua Luís Coelho, 197, auditório da sobreloja.

- Deain/Deinf - Rua Avanhandava, 55, 6º andar.

 

Tarde, 15 horas

- Ministério da Fazenda - Av. Prestes Maia, 733, 22º andar, auditório.

- Defis - Av. Pacaembu, 715, térreo, auditório.

- IRF - Av. Celso Garcia, 3.580, 4º andar, auditório.

INÍCIO

 

RFB
Colegas de Valadares apóiam servidores da ex-SRP

Em manifesto aprovado na Assembléia Nacional do dia 31 de outubro, os Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil em Governador Valadares (MG) pedem à Administração solução para a questão dos servidores técnicos e analistas oriundos da extinta SRP (Secretaria da Receita Previdenciária).

No texto (ver anexos), os Auditores-Fiscais filiados à DS/Governador Valadares lembram que “decorridos 180 dias estabelecidos na Lei 11.457/2007 [que criou a RFB – Receita Federal do Brasil] o governo não apresentou, de forma definitiva, a regulamentação de carreira para que os servidores egressos da extinta SRP pudessem escolher com segurança entre permanecer na RFB ou retornar ao INSS”.

A DEN (Diretoria Executiva Nacional) apóia a criação de uma carreira de apoio na RFB, desde que não seja dentro da carreira de auditoria.

 

INÍCIO

 


DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL

 

 

Classe
Assembléia decidirá rumos do movimento

Negociação
Concluídas bases conceituais do SINP
Assembléia Nacional
DS/São Paulo informa locais e horários
RFB
Colegas de Valadares apóiam servidores da ex-SRP
   
   

Boletim em
formato word