-->


Home
Brasília, 21 de junho de 2007

ANO XI

Nº 2380

   

Eleições 2007
Votação transcorre com tranqüilidade

Um clima de normalidade marcou os dois dias de eleição (19 e 20 de junho) para a Diretoria Executiva Nacional (DEN) e o Conselho Fiscal do Unafisco Sindical e para as Diretorias Executivas e Conselhos Fiscais das Delegacias Sindicais. Na noite de ontem já foi possível conferir, no quadro de avisos do site do Unafisco, a primeira parcial com resultados das eleições.

Em muitas DSs, a apuração começou logo após o encerramento da votação e as mesas eleitorais concluíram o processo ainda na noite de ontem. Outras delegacias como as do Rio de Janeiro e São Paulo optaram por iniciar a contagem dos votos somente na manhã de hoje.

Mapas de votação e apuração, bem como as atas da eleição, estão sendo enviados pelas mesas eleitorais à Comissão Eleitoral Nacional (CEN), que está responsável pela consolidação das informações. O resultado final dependerá ainda da contagem dos votos enviados por correspondência, que demandarão um tempo maior de apuração.

 

Serviço público
Debates subsidiarão audiência na Câmara

O sindicalista Júlio Turra, da Executiva Nacional da CUT, o diretor da Condsef, Josemilton da Costa, e o AFRF Alberto Amadei, coordenador da Transparência Cearense, debateram ontem, no Auditório do Ministério da Fazenda no Ceará, os desafios imediatos e as perspectivas de mudanças iminentes do serviço público, diante dos encaminhamentos das reformas sindical e trabalhista. Os debates deverão subsidiar as propostas a serem apresentadas ao ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo Silva, que nesta quinta-feira participa de audiência pública que discutirá a regulamentação do direito de greve no serviço público.

Os debatedores formaram consenso sobre as ameaças de arrocho salarial que estão postas no horizonte da próxima década, caso seja aprovado como está o PLP 01, do Executivo, que prevê que a folha de pagamento não pode crescer mais de 1,5% ao ano.

Júlio Turra deixou claro que “não haverá diálogo sem mobilização para o enfrentamento”, afirmando que tem visto muitas “promessas nas mesas de enrolação”. Josemilton, da Condsef, declarou que os “acordos coletivos não são cumpridos” e a “proposta de lei de greve é do governo, não dos servidores”.

Alberto Amadei, da Transparência Cearense, demonstrou “como a criação do Fundo de Pensão para os Servidores da União vai afetar a paridade, as aposentadorias e pensões e a privatização gradativa do sistema como um todo”, prevendo que o “sindicalismo de conciliação e dos conluios em gabinetes, praticado pelos sindicalistas amarelos, cooptados com cargos e miragens, vai liquidar o pouco dos direitos sociais conquistados na Carta de 88”.

No evento, os representantes grevistas do Incra e Ibama manifestaram seu repúdio à atitude repressiva do governo e denunciaram o desmonte das instituições, criticando duramente o aumento da remuneração dos cargos de confiança em detrimento da valorização das carreiras.

 

INÍCIO


DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL

 

Serviço público
Debates subsidiarão audiência na Câmara
   
   

Boletim em
formato word