-->


Home
Brasília, 05 de maio de 2004

ANO IX

Nº 1628

 

 
Está tudo pronto para o nosso Dia Nacional de Protesto

Chegou o dia esperado. Vamos mostrar a nossa mais profunda indignação hoje no Dia Nacional de Protesto que, em Brasília, será marcado por uma grande manifestação em frente ao Ministério da Fazenda. Delegacias Sindicais Brasil afora marcaram atos em suas regiões.

Está entalado na garganta de cada AFRF a proposta rebaixada e discriminatória que nos foi formulada. Hoje, teremos uma oportunidade ímpar de protestar em favor de um reajuste real, da correção de situações injustas, como o fosso salarial, e da paridade. Todos esses pontos devem ser, novamente, levadosà discussão entre os representantes da categoria e o Executivo, quando o governo abrir um canal efetivo de diálogo.

O Dia Nacional de Protesto dos AFRFs levará mais de 500 colegas para a Esplanada e exporá o descontentamento de todos diante do tratamento que vem sendo dispensado à categoria. A presença desses AFRFs em Brasília é muito importante, principalmente para mostrar a força de nossa mobilização.

A manifestação inicia-se às 9h30, e os AFRFs devem ficar durante todo o dia e parte da noite na Esplanada. Às 18 horas, tem início uma vigília em frente ao Ministério da Fazenda, como forma de pressão para que os representantes da categoria sejam recebidos pelo governo. Os manifestantes devem permanecer no local até que nossa pauta seja recolocada em discussão.

A organização do ato promete fazer muito barulho em frente ao MF. Foram confeccionadas bandeiras e faixas, com dizeres do tipo "na greve é que se negocia". Os AFRFs estarão com coletes que fazem alusão ao movimento reivindicatório e um carro de som já foi contratado para que os colegas se manifestem. O ato público também contará com a presença de servidores de outras categorias, conforme o apoio declarado em reunião realizada nesta segunda-feira, na sede do Unafisco, com representantes do Fórum Nacional do Fisco.

O primeiro vice-presidente do Unafisco, Marcello Escobar, e o diretor de Assuntos Parlamentares, Pedro Delarue, estiveram ontem à tarde no Congresso Nacional, convidando os senadores e deputados para o ato público de hoje. O mesmo convite foi enviado por fax para todos os parlamentares.

É importante frisar que o protesto de hoje ocorre exatamente quando a missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) está na capital federal. Vale lembrar que as reformas que estão sendo propostas pelo governo federal seguem algumas orientações dessa instituição internacional, que já demonstrou estar bastante preocupada com a "atitude permissiva" do governo em relação ao reajuste reivindicado pelos servidores públicos.

INÍCIO

Governo retoma diálogo às vésperas do nosso ato

Ontem à noite, a presidente do Unafisco, Maria Lucia Fattorelli, o primeiro vice-presidente, Marcello Escobar, e a segunda vice-presidente, Ana Mary da Costa Lino Carneiro, além de três colegas do Comando Nacional de Mobilização - Carlos Kandal, Rosa Ana e Nory Celeste - estiveram reunidos com o secretário Jorge Rachid e com o secretário-adjunto do Ministério da Fazenda, Arno Augustin.

A reabertura do diálogo entre a categoria e o governo, como os próprios secretários fizeram questão de frisar, deu-se devido à insistência do Sindicato em solicitar uma nova reunião.

Os AFRFs foram questionados pelos representantes do governo sobre o que traziam de novidade em relação à proposta apresentada à categoria. Reafirmamos a nossa pauta reivindicatória ponto a ponto, destacamos o tratamento diferenciado que nos vem sendo dado em relação a várias outras categorias que tiveram reajuste real sobre o vencimento básico, a quebra da paridade e o problema do fosso salarial, abordamos a questão da GIA e do total desconhecimento dos critérios de avaliação para a sua percepção, a falta de valorização da SRF e do auditor-fiscal.

Depois dessa exposição, lembramos a defesa que o Advogado-Geral da União e o Procurador-Geral da Fazenda Nacional haviam feito de suas categorias, e cobramos postura similar do SRF em relação aos auditores. Perguntamos aos secretários sobre o que o governo tinha a nos oferecer: "Nada que impacte em custo. O governo não está se preparando para nova proposta. Não o fará. O que pode ocorrer é retirada de propostas", afirmaram na reunião.

Rachid e Arno Augustin passaram a narrar as dificuldades orçamentárias do governo. Afirmaram que o barco do projeto de lei que reestrutura a nossa carreira estava pesado, tendo em vista o fato de outras categorias também estarem nele, e que o possível de se oferecer, em termos de proposta, era o que já havia sido apresentado.

Ambos fizeram questão de enfatizar que a greve não muda a postura do governo. Muito pelo contrário. O movimento teria o condão de atrasar ainda mais a aprovação do projeto de lei da carreira. Rachid enfatizou que o projeto para a SRF, no qual a questão salarial da categoria estava embutida, era fruto de um esforço fenomenal, com impacto nas contas públicas. De acordo com ele, o projeto da SRF mereceu um dos poucos "SIM" do ministro Palocci.

Questionado sobre a GIA e quem estabeleceria a meta, Rachid avaliou que essa atribuição estaria em boas mãos sob a batuta do ministro Palocci.

Os colegas lembraram que o aumento salarial para a categoria é na verdade zero, pois depende da elevação da arrecadação.

Chegou-se a admitir que o governo é prisioneiro do endividamento elevado do país, restando nítida a opção pelo superávit, o que tem um custo político bastante alto. Um deles é a escassez de recursos orçamentários para os trabalhadores, para o salário mínimo e, inclusive, para a SRF.

Num esforço de negociação, questionamos o governo em que poderia ir adiante em cada ponto de nossa pauta: reajuste real no vencimento básico, enxugamento dos padrões e paridade. Não houve sinalização de possibilidade de avanços, no momento. Apresentamos a reivindicação de que os secretários nos levem ao ministro Palocci.

A DEN considera que é preciso prosseguir com a mobilização para que esse diálogo reaberto possa efetivamente redundar em avanço para a categoria. Vamos protestar hoje com toda a nossa disposição, paralisar totalmente as nossas atividades e fazer chegar o nosso descontentamento aos números da arrecadação Brasil afora.

INÍCIO

Unafisco prepara debate no CN com categorias em greve

O Sindicato, ao lado de outras entidades de categorias em greve, realiza na próxima terça-feira, dia 11 de maio, das 14 às 18 horas, no auditório Petrônio Portela, no Senado Federal, o Debate em Defesa do Funcionalismo Público. Diversos parlamentares já estão sendo contatados, entre outros convidados, para participar desse evento que promete reunir centenas de servidores mobilizados contra as propostas rebaixadas de reajuste do governo. Na Assembléia Nacional de amanhã os colegas interessados em engrossar o protesto poderão inscrever-se.

O encontro visará a discutir formas de se contrapor à atitude do governo no que diz respeito à negociação salarial dos servidores públicos.

INÍCIO

Contagem regressiva para greve geral dos servidores

A Coordenação Nacional das Entidades dos Servidores Federais (Cnesf) reuniu-se ontem para organizar a deflagração da greve geral dos servidores, marcada para a próxima segunda-feira, dia 10 de maio. De acordo com a segunda vice-presidente do Unafisco Sindical, Ana Mary da Costa Lino Carneiro, que representou a entidade na reunião, está tudo preparado para um "movimento fortíssimo".

Os cartazes e faixas já estão aprovados pelas entidades, e no dia 11 de maio será instituído o comando da greve. Muitas categorias que integram a Cnesf já estão paralisadas antes mesmo da data aprovada pela plenária dos servidores. Além dos AFRFs e dos servidores do INSS, que continuam em greve, estão previstas em todo o país, a partir de hoje, greve por tempo indeterminado dos servidores do Incra e das DRTs. A Fenafisp aprovou, também a partir de hoje, paralisação por 72 horas.

INÍCIO

Governo convoca reunião extraordinária da MNNP

Está prevista para hoje, às 14 horas, uma reunião extraordinária entre a coordenação da Mesa Nacional de Negociação Permanente (MNNP) e as entidades da bancada sindical. A informação chegou aos sindicatos ontem.

A pauta da reunião continua sendo o reajuste do servidor em 2004. A última rodada de negociação foi no dia 20 de abril, e os sindicatos informaram ao secretário de Recursos Humanos do MPOG, Sérgio Mendonça, o resultado da plenária dos servidores federais do dia 18 de abril, que deliberou por não aceitar a proposta do governo federal de reajuste diferenciado, com base em gratificações.

Naquele encontro Mendonça afirmou que o governo estava cedendo no que era possível e que não havia mais espaço, leia-se verba, além do previsto no orçamento 2004 e na suplementação orçamentária para este ano. A convocação da MNNP para esta tarde sinaliza uma preocupação do governo em relação à greve unificada, por tempo indeterminado, dos servidores federais que está marcada para o próximo dia 10 de maio, segunda-feira da semana que vem.

INÍCIO

 

AFRFs de Salvador discutem greve com secretário-adjunto da RF

Nessa segunda-feira, a DS/Salvador, juntamente com cerca de dez AFRFs, foi recebida pelo secretário-adjunto da SRF, Carlos Alberto de Freitas Barreto, presente na capital baiana. O encontro deu-se no gabinete do delegado da DRJ e, segundo relatos da Delegacia Sindical, durou mais de uma hora.

Nesse intervalo, os colegas relataram suas preocupações com a greve dos AFRFs e os seus naturais desdobramentos. Os AFRFs afirmaram que não se justifica a atual postura do secretário da SRF de não negociar com servidores em greve e solicitaram audiência imediata para tratar das questões levantadas pelos auditores. Além disso, reforçou-se a série de argumentos que vem sendo utilizada para justificar a não aceitação da proposta governamental de reajuste e foram dadas várias sugestões de implementação de medidas e providências que podem resolver o impasse hoje criado.

Os colegas deixaram bem claro que qualquer proposta que quebre a paridade entre ativos e aposentados é inaceitável. Também afirmaram ao secretário Carlos Alberto que a greve dos AFRFs foi o último recurso para forçar a negociação dos pontos claramente prejudiciais à categoria e fizeram questão de frisar que a utilização desse instrumento legítimo não representa uma queda de braço com a administração, pois o desejo de todos é o diálogo com a administração da SRF para se chegar, conforme relato da DS/Salvador, a um acordo razoável.

O secretário negou que haja falta de empenho da cúpula da RF junto às autoridades competentes do governo, quando questionado pelos AFRFs. Todavia, não é isso o que se observa.

O secretário-adjunto afirmou não estar diretamente envolvido com a negociação da pauta da categoria, mas prometeu levar as preocupações e sugestões dos auditores de Salvador quando retornar a Brasília.

INÍCIO

AFRFs dos Órgãos Centrais de Brasília fazem paralisação inédita

Poucas vezes na história do movimento sindical de nossa categoria, os AFRFs dos Órgãos Centrais, em Brasília, aderiram com empenho a um movimento paredista. Essa tradição está sendo quebrada este ano pelos colegas que trabalham na Coordenação Geral de Tributação (Cosit) e na Coordenação Geral de Administração Aduaneira (Coana) e estão paralisados. A mobilização começou a ganhar força na Cosit, que está parada desde as primeiras semanas de abril. "Somos um grupo muito unido e a força com que estamos aderindo à paralisação está influenciando e servindo de paradigma para outras coordenadorias", conta o AFRF Moacyr Beltrão, que faz parte da Cosit.

Além dos colegas dos Órgãos Centrais, os AFRFs que trabalham na Delegacia da Receita Federal em Brasília também estão firmes na mobilização. O índice de adesão à greve está em torno de 80%.

Para o diretor-adjunto de Finanças do Unafisco, Iran Tonelli, que trabalha na DRF/Brasília, o alto índice de adesão à paralisação em Brasília reflete o índice de insatisfação dos colegas com a proposta do governo. "A situação atual chegou em um ponto insuportável. A característica do ser humano é só sair da inércia quando a situação está no limite, como a que enfrentamos atualmente", analisa. A greve dos AFRFs é uma resposta ao descaso do governo, e a dureza com que os colegas de Brasília responderam à insensibilidade da administração é uma mostra de que até os mais pacientes um dia se revoltam.

INÍCIO

UNAFISCO NA MÍDIA
Jornal paulista enfatiza o efeito da greve sobre a restituição do IRPF

"A greve dos Auditores da Receita Federal vai atrasar o processo de checagem das cerca de 350 mil declarações que estão na malha fina." É o que informou o jornal O Estado de S. Paulo de ontem, com base em entrevista dada pelo diretor de Assuntos Parlamentares do Unafisco, Pedro Delarue. "A restituição de quem caiu na malha fina vai atrasar o tempo que durar a greve, e quem iria ser chamado para prestar esclarecimentos não será", alertou o diretor do Sindicato. Ele ressaltou, porém, que não deve haver problemas com as declarações entregues este ano, já que a maior parte do processo para o pagamento das restituições do Imposto de Renda está informatizada.

A matéria também informa que cerca de 80% dos auditores aderiram à greve e que a liberação de cargas em portos e aeroportos também está sofrendo um atraso em conseqüência do movimento paredista dos AFRFs. "Segundo o Unafisco, 80% da categoria aderiu à paralisação. Os auditores reivindicam reposição salarial de 127%. O governo propôs gratificação de até 30%, vinculando-a ao aumento da arrecadação, e reajuste de 8,5% aos inativos", informou o jornal.

Nessa mesma matéria, há informações sobre a paralisação dos servidores do INSS, da Advocacia Geral da União e da Polícia Federal. O texto de O Estado de S. Paulo foi reproduzido ontem pelos seguintes jornais regionais: Jornal da Tarde (SP), Diário do Nordeste (CE), O Povo (CE) e pela Agência Estado.

INÍCIO

Governo volta a responsabilizar greve por desempenho na balança

A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento divulgou na última segunda-feira, dia 3, o resultado da balança comercial no mês de abril. Apesar de um superávit de R$ 1,958 bilhão, o secretário de Comércio Exterior, Ivan Ramalho, informou que as exportações foram afetadas pela operação-padrão dos fiscais da Receita Federal. A matéria sobre o assunto, divulgada no jornal O Estado do S. Paulo, pode ser lida anexa.

INÍCIO

Aeroporto de Viracopos já sofre conseqüências da greve dos AFRFs

O jornal Correio Popular, de Campinas (SP), divulgou ontem uma matéria sobre a greve dos AFRFs no Aeroporto Internacional de Viracopos.

Segundo o jornal, a operação-padrão no aeroporto já causa atrasos. Somente as cargas perecíveis, medicamentos e aquelas cujas empresas conseguiram liminares na justiça estão sendo liberadas.

A informação dada pelo periódico de que a vice-presidente da DS/Campinas, Margarete Calsolari Zanirato, havia denunciado o aumento do volume de cargas no canal verde não corresponde exatamente à verdade, pois o denunciado foi que o percentual das cargas parametrizadas no canal vermelho e amarelo havia diminuído.

A matéria do Correio Popular encontra-se anexa.

INÍCIO

Jornal do Pará destaca efeitos da greve

"Os exportadores do Pará estão reclamando da 'operação-padrão', realizada pelos auditores-fiscais no porto de Belém. A queixa é de que as 'fiscalizações minuciosas' por causa da greve da categoria estariam trazendo prejuízos", informou a edição de ontem do Diário do Pará. A reportagem ouviu a Associação dos Exportadores de Madeira do Estado do Pará (Aimex), que destacou a "radicalização" das fiscalizações desde a última quinta-feira.

Na matéria intitulada "Grevistas dizem que querem livrar todos de mais taxas", o diretor de Relações Intersindicais da DEN, Iranilson Brasil, declarou que a greve é para "proteger a sociedade da taxa tributária do governo federal". "Os exportadores e toda sociedade precisam compreender que o movimento visa a livrar a todos de mais taxas alfandegárias", pontuou.

Iranilson explicou na matéria a proposta do governo baseada em aumento da arrecadação e frisou: "Se aceitarmos esse acordo, haverá operação-padrão todos os dias para que os trabalhadores tenham um rendimento mensal maior", alertou.

INÍCIO

PEC Paralela vai ser primeiro item da pauta do plenário

O relator da PEC 227, a PEC Paralela, deputado José Pimentel (PT-CE), apresentou ontem seus relatórios aos líderes partidários do Senado e da Câmara dos Deputados. Pimentel informou aos parlamentares que a matéria seria votada na primeira sessão da Câmara dos Deputados após a desobstrução da pauta. O relator, os líderes e os presidentes do Senado e da Câmara estão negociando um acordo que prevê que o texto a ser votado na Câmara seja aprovado no Senado logo em seguida, sem novas modificações, possibilitando a promulgação célere da PEC.

Entre os pontos esclarecidos por Pimentel aos senadores está a remuneração dos deputados estaduais que, segundo ele, ficará vinculada à dos deputados federais. De acordo com informações dos parlamentares que participaram da reunião, foram mantidos todos os pontos que beneficiam os servidores públicos, como a questão da paridade de reajustes e as regras de transição.

O próximo passo é o envio do relatório às entidades representativas dos servidores para que conheçam o teor da matéria.

INÍCIO

Entidades devem explicar greve em Comissão do Trabalho

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados irá votar em sua reunião de hoje o requerimento da deputada federal Drª Clair (PT-PR) que pede uma audiência pública na qual sejam ouvidos os ministros do Planejamento e da Administração Pública, ou seus representantes, e os representantes da Associação dos Servidores Públicos, do Unafisco, dos policiais federais e do INSS. O objetivo é discutir os movimentos grevistas em curso e as negociações dos ministérios com as categorias.

INÍCIO

Delegados apresentam slides sobre caso Unaí em sessão reservada

A comissão externa da Câmara que acompanha as investigações sobre os assassinatos dos fiscais de trabalho em Unaí (MG) reuniu-se ontem, em sessão reservada, com os delegados responsáveis pelo inquérito para obter detalhes dos resultados obtidos até agora. A reunião não pôde ser acompanhada pela imprensa ou público. Foram ouvidos, na reunião, o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, o diretor de Combate ao Crime Organizado da PF, Getúlio Bezerra Santos, e os delegados Alfredo Junqueira e Antônio Celso dos Santos.

O presidente da comissão, deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), convocou a audiência por entender que há informações contraditórias e que é necessária uma avaliação concreta sobre as investigações da chacina. Representantes do Sindicato Nacional dos Auditores do Trabalho (Sinait) foram convidados para assistir à reunião, mas até o fechamento desta edição não foi possível contatá-los para maiores informações sobre o encontro.

INÍCIO

Lei de Falências é aprovada na CAE

A Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) aprovou ontem parecer do senador Ramez Tebet ao PLC 71/03, à nova Lei de Falências. O substitutivo de Tebet alterou bastante do projeto original aprovado na Câmara dos Deputados, mantendo apenas oito dos 222 artigos aprovados no PL nº 4.376/93. Amplamente discutido pela CAE, após pedido de vista coletiva no dia 14 de abril, o projeto foi alterado com o acolhimento de 47 das cerca de 142 emendas que foram apresentadas ao PL.

O texto, que vem sendo amplamente criticado pelo Unafisco desde sua tramitação na Câmara, privilegia os créditos financeiros (dívidas com garantia real) em detrimento do crédito tributário e limita os créditos trabalhistas, primeiros a serem pagos, a 150 salários mínimos. A matéria ainda será apreciada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Dos seis destaques apresentados ao substitutivo, a CAE rejeitou três. Os outros três foram retirados pelos autores.

INÍCIO

Frente Parlamentar de Combate à Corrupção protesta contra indicação para INSS

O ex-senador Carlos Bezerra está à frente do INSS, mas tem atrás de si o Ministério Público e a Polícia Federal, investigando-o por desvio de recursos públicos em financiamento da extinta Sudam, emprego irregular de verbas públicas e por emissão de um cheque no valor de R$ 1.661.400,00, encontrado na V1P-Factory, empresa do Comendador Arcanjo, preso no Uruguai por contrabando de armas, lavagem de dinheiro e agiotagem. Isso sem falar dos dez processos contra o ex-parlamentar que tramitam no TCU.

Para protestar contra a indicação de Carlos Bezerra para a Presidência do INSS, a Frente Parlamentar de Combate à Corrupção, da qual o Unafisco faz parte, divulgou nota no último dia 29 de abril assinada pelos deputados federais Antônio Carlos Biscaia (PT-RS) e Paulo Rubem Santiago (PT-PE), coordenadores da Frente, a qual publicamos em anexo.

INÍCIO

Unafisco entra com pedido e intervenção nas Adins sobre a cobrança dos aposentados

O escritório Wagner & Advogados Associados protocolizou no Supremo Tribunal Federal, no dia 2 de abril, pedidos de Amicus Curiae, visando à intervenção nas Ações Diretas de Inconstitucionalidade (Adins) contra a cobrança previdenciária dos inativos, impetradas pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), pela Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) e pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR).

Com os pedidos, o Unafisco, por intermédio do escritório de advocacia, poderá discutir e enriquecer o debate sobre a questão. As solicitações foram feitas à ministra Ellen Gracie Northfleet e encontram-se anexas a este Boletim.

INÍCIO

 

 

DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL

 

 

ESPAÇO DAS DSs

 

AFRFs de Florianópolis realizam ato público em frente à DRF

Na última sexta-feira, dia 30 de abril, os AFRFs de Florianópolis aproveitaram o último dia de entrega da declaração do IRPF para reivindicar o atendimento de nossa pauta. O ato foi fortalecido por auditores da Previdência e do Trabalho, que foram prestar solidariedade à categoria.

INÍCIO

DS/Niterói aprova proposta de financiamento da mobilização

A DS/Niterói (RJ) aprovou na Assembléia Nacional de 13 de abril uma proposta à DEN, no sentido de que seja cobrada, em nível nacional, cota extra de 1% nos meses de maio, junho e julho, perfazendo o total de 3% (três por cento) para o Fundo de Mobilização, com vistas ao financiamento dos eventos de mobilização.

INÍCIO

Ato público denuncia política salarial das carreiras fiscais em Fortaleza

A DS/Ceará promoverá na próxima quinta-feira, dia 6, em conjunto com o Sindicato dos Auditores-Fiscais do Trabalho do Ceará (Sindait), a Associação Cearense dos Auditores-Fiscais da Previdência Social (Acefip) e o Sindicato dos Auditores-Fiscais da Previdência Social do Ceará (Sindifisp) e com apoio da Câmara dos Vereadores de Fortaleza, audiência pública sobre política salarial dos servidores públicos: violação dos direitos dos aposentados, desrespeito à Constituição e vinculação a aumento de carga tributária.

Os auditores-fiscais do Ceará, ativos e aposentados, e pensionistas estarão presentes para registrar a sua indignação com o projeto de suposta reposição de perdas salariais proposto pelo governo, condicionado a uma elevação da carga tributária fora de um contexto de efetivo combate à sonegação, ao contrabando e ao tráfico de drogas, que afronta a Constituição Federal, subtraindo direitos consagrados até dos já aposentados/pensionistas.

O evento contará com a presença de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB/CE), da Associação dos Juízes Federais Federais do Ceará (Ajufe) e da Associação Nacional dos Procuradores da República no Ceará (ANPR), que abordarão a situação do serviço público federal e de suas carreiras fiscais, sob a ótica do enfraquecimento e do desmonte a que tem sido submetido o Estado brasileiro.

 

 

INÍCIO

 

Clipping da greve - I

Clipping da greve - II

Frente Parlamentar

Pedido de Amicus Curiae (PDT) - Arquivo Compactado

Pedido de Amicus Curiae (Conamp) - Arquivo Compactado

Pedido de Amicus Curiae (ANPR) - Arquivo Compactado

 

Governo retoma diálogo às vésperas do nosso ato

Unafisco prepara debate no CN com categorias em greve

Contagem regressiva para greve geral dos servidores

Governo convoca reunião extraordinária da MNNP

AFRFs de Salvador discutem greve com secretário-adjunto da RF

AFRFs dos Órgãos Centrais de Brasília fazem paralisação inédita

UNAFISCO NA MÍDIA
Jornal paulista enfatiza o efeito da greve sobre a restituição do IRPF

Governo volta a responsabilizar greve por desempenho na balança

Aeroporto de Viracopos já sofre conseqüências da greve dos AFRFs

Jornal do Pará destaca efeitos da greve

PEC Paralela vai ser primeiro item da pauta do plenário

Entidades devem explicar greve em Comissão do Trabalho

Delegados apresentam slides sobre caso Unaí em sessão reservada

Lei de Falências é aprovada na CAE

Frente Parlamentar de Combate à Corrupção protesta contra indicação para INSS

Unafisco entra com pedido e intervenção nas Adins sobre a cobrança dos aposentados

ESPAÇO DAS DSs
AFRFs de Florianópolis realizam ato público em frente à DRF

DS/Niterói aprova proposta de financiamento da mobilização

Ato público denuncia política salarial das carreiras fiscais em Fortaleza

 
 

Boletim em
formato word