-->


Home
Brasília, 15 de abril de 2004

ANO IX

Nº 1615

 

 

Mobilização ganha ainda mais força de norte a sul do país

Diversas delegacias sindicais enviaram informes à DEN sobre a paralisação que começa a pegar fogo de norte a sul do país. A média de adesão dos colegas já está entre 70% e 75%.

Em Cumbica (SP), 90% dos AFRFs pararam. Em Paranaguá (PR), 100% dos colegas cruzaram os braços, não realizando qualquer desembaraço tanto na importação como na exportação. O mesmo índice foi verificado em Marília, onde foram suspensos os trabalhos do plantão de informações sobre o IR, de fiscalização e da malha fina. Em Belo Horizonte (MG), a paralisação foi praticamente total, assim como nas cidades mineiras de Contagem, Curvelo e Sete Lagoas.

A DS/Goiás realizou ontem, e deve repetir hoje, o trabalho de panfletagem na porta da DRF/Goiânia, onde a greve contou com a participação de 80% dos AFRFs.

Em Palmas, os AFRFs informaram que a adesão à paralisação foi total, com exceção do delegado. A DS distribuiu nota à imprensa local e fixou uma faixa em frente à DRF.

Em Maringá (PR), todos os auditores interromperam suas atividades. A DS ofereceu um café-da-manhã aos filiados, repassando informações e discutindo a paralisação. Os AFRFs estão preocupados com possíveis retaliações da administração, pois há notícia de que a Superintendência da RF estaria solicitando informes, pela manhã e tarde, sobre a paralisação. Os filiados entendem que a DEN deve providenciar medida judicial para resguardar os colegas.

Após o segundo dia de paralisação total das atividades dos AFRFs de Uruguaiana, o impacto do movimento grevista já começa a ser sentido no maior porto seco da América Latina, que, ao final do dia de ontem, já se encontrava praticamente lotado.

A DS/Guarulhos enviou nota à imprensa elaborada pela DEN a três jornais locais. Em São Paulo (SP), a paralisação foi seguida por 70% dos colegas. O prédio da fiscalização (Defic) esteve fechado. Na Inspetoria, onde foi montado um plantão para atender demandas judiciais, cerca de 80% dos auditores cruzaram os braços. Na Delegacia de Julgamento, a média de adesão foi de 70%. As Eadis paulistas irão paralisar as atividades hoje e amanhã.

O estado do Pará também está mobilizado. Na zona primária, os colegas estão em operação-padrão. Na DRF, a greve paralisou 90% das atividades.

INÍCIO

Análise revela que projeto de lei do governo é pior do que o esperado

A categoria não se enganou quando rejeitou uma proposta da administração cujo inteiro teor desconhecia. Ontem, o Unafisco teve acesso a parte do PL que está sendo elaborado pelo governo e o que verificou é extremamente alarmante.

O projeto reestrutura a remuneração dos cargos das Carreiras de Auditoria da Receita Federal, Auditoria-Fiscal da Previdência Social e Auditoria-Fiscal do Trabalho e cria a Gratificação de Incremento da Dívida Ativa da União (GDAU), devida aos ocupantes dos cargos efetivos da Carreira de Procurador da Fazenda Nacional. Os critérios e procedimentos de avaliação de desempenho e critérios de fixação de metas de arrecadação seriam estabelecidos em regulamento, isto é, até que seja regulamentada, em prazo desconhecido, porque o PL não o fixa, a Gratificação de Incremento à Arrecadação (GIA) equivaleria a ZERO. A GIA só começaria a ser paga a partir do segundo mês subseqüente à sua regulamentação.

Uma outra novidade: para efeitos de aferição do percentual de GIA relativo à meta nacional, será considerada a arrecadação conjunta da PFN, SRF e INSS.

Com relação à aposentadoria, a GIA é ainda pior do que fora a própria GDAT, pois só será integrada às aposentadorias e pensões pela média dos percentuais percebidos pelo servidor nos últimos 60 meses (cinco anos) antes de passar para a inatividade.

Os já aposentados ou os que se aposentarem antes de decorridos 60 meses de percebimento da GIA receberão o percentual de 30% de seu valor máximo, que corresponde a até 45% do maior vencimento básico.

Como se não bastasse tudo isso, o texto do projeto estabeleceria que as gratificações não seriam pagas caso o desempenho verificado seja inferior à sua despesa anual e às metas fixadas por ato do Poder Executivo.

INÍCIO

Governo fez proposta medíocre para AFRFs, enquanto arrecadação aumenta 15,63% em março

Apesar de a economia estar empacada, sendo empurrada quase que exclusivamente pelas exportações, o governo federal conseguiu bater um novo recorde de arrecadação no mês de março. Em relação a igual período de 2003, arrecadou-se 15,63% mais em 2004, descontada a inflação.

Com enorme esforço, sem condições materiais e muitas vezes arriscando a própria vida, os AFRFs vêm fazendo a sua parte. Em vez de destinar recursos para reestruturar efetivamente a SRF, a começar por oferecer melhores condições de trabalho ao seu corpo funcional, o que passa por salários dignos, o governo faz uma proposta obscura a partir de gratificação não extensiva aos aposentados, quebrando a paridade.

Quanto vale para o governo o trabalho abnegado dos servidores que garantem a arrecadação do Estado?

INÍCIO

Relação remuneratória muda com a proposta

Conforme cálculos da DEN, a relação remuneratória entre AFRFs e TRFs com a proposta passaria a ser de 51,91%. O salário inicial dos TRFs sofreria um aumento médio de 41,94%, enquanto o dos auditores ficaria na casa dos 29,03%, ou seja, a diferença seria de 12,91%. Com relação ao salário final nos cargos, a diferença é ainda maior, chegando a 14,23%, com os técnicos tendo reajuste de 56,52% e os AFRFs de apenas 42,29%.

INÍCIO

DEN participa hoje de duas reuniões com os colegas em São Paulo

O movimento reivindicatório é tema de duas reuniões que serão realizadas com os colegas paulistas pela presidente do Unafisco Sindical, Maria Lucia Fattorelli. O primeiro encontro ocorre pela manhã, às 10h30, no prédio da Defic, no bairro do Pacaembu. A reunião da tarde será realizada no auditório do 6º andar do edifício da avenida Prestes Maia, onde funcionam as duas Delegacias de Julgamento, a Superintendência, a Espei, a Derat e o Escor.

Os colegas lotados nos demais prédios da SRF em São Paulo estão convidados a fortalecer o debate participando da reunião no prédio do MF, aproveitando a oportunidade para esclarecer dúvidas e se engajar ainda mais na luta.

INÍCIO

UNAFISCO NA MÍDIA
Paralisação dos AFRFs é destaque na mídia em todo o país

A paralisação de 96 horas dos AFRFs foi notícia ontem em dezenas de jornais, em todos os estados brasileiros, nos principais veículos de circulação nacional, em emissoras de rádio e televisão regionais e nacionais e também em agências de notícias e jornais na Internet.

Os dirigentes sindicais das DSs foram ouvidos em diferentes estados. Em Salvador, a Assembléia Nacional do dia 13 foi acompanhada pela imprensa. A presidente da DS, Márcia Galvão, foi entrevistada pelos jornais A Tarde e Tribuna da Bahia. No Maranhão, O Imparcial e a Folha do Maranhão ouviram a presidente da DS/Maranhão, Maria Benedita Jansen Saraiva, que também é diretora de Assuntos dos Aposentados e Pensionistas.

Em Goiás, os dirigentes sindicais concederam entrevistas para as TVs Anhangüera e Brasil Central e para as rádios Difusora, RBC e Companhia.

Em Curitiba, vários órgãos da imprensa entraram em contato com a DS local para obter informações sobre a paralisação. A TV Educativa fez uma entrevista ao vivo com o secretário-geral da DS, Jelmires José Galindo Jr., a Rede Independência de Comunicação entrevistou a vice-presidente da DS, Maria Gregória C. Bittencourt. Os dirigentes sindicais do estado foram ouvidos ainda pelas rádios CBN e Educativa, pelos jornais Folha do Paraná, O Estado do Paraná, Jornal do Estado, Gazeta do Povo e pelo site Tudo Paraná. As notícias destacam o descontentamento dos AFRFs com a proposta do governo, que pretende quebrar a paridade entre ativos e aposentados. Em anexo, uma compilação das matérias publicadas em diversos jornais ontem, dia 14.

INÍCIO

Cnesf analisará relatório do FNT em seminário

A Coordenação Nacional das Entidades dos Servidores Federais (Cnesf) esteve reunida ontem e definiu a realização de um seminário, no dia 21 de abril, para análise do relatório sobre a reforma sindical feito pelo Fórum Nacional do Trabalho. O Unafisco foi representando pelo diretor-secretário Rafael Pillar.

Os servidores discutiram também qual a posição da bancada sindical na reunião de hoje da Comissão Temática de Diretrizes de Plano de Carreira. O entendimento é de que a bancada sindical deve cobrar do governo uma posição sobre a política salarial que pretende implementar para os servidores públicos.

Além das reformas trabalhista e sindical, a Cnesf debateu a Plenária Nacional, que será realizada no próximo domingo, dia 18 de abril, na sede da CNTI, em Brasília. Uma reunião preparatória ocorrerá no sábado, às 19 horas, na sede da Coordenação. Lembramos que as despesas de transporte e hospedagem dos delegados escolhidos nos estados correrão por conta das DSs.

INÍCIO

PEC PARALELA
Senadores reforçam estratégia de obstrução da pauta

Cerca de 50 servidores estiveram presentes à reunião ocorrida ontem à tarde no plenário 7 da Ala Alexandre Costa, no Senado, para discutir estratégias de pressão para a votação da PEC Paralela na Câmara. O senador Paulo Paim (PT-RS) reafirmou a intenção de não votar qualquer projeto na pauta do plenário. Para ele, essa é uma das formas de pressionar o governo para que cumpra o acordo assumido com os senadores por ocasião da elaboração da PEC Paralela. "Queremos que seja promulgado o que foi acordado", declarou.

Além de Paulo Paim, estiveram presentes os senadores Jefferson Peres (PDT-AM), Serys Slhessarenko (PT-MT), Sérgio Zambiasi (PTB-RS) e Magno Malta (PL-ES).

Depois de uma breve explicação sobre o objetivo daquela reunião, foi passada a palavra para os senadores. O primeiro a pronunciar-se foi o senador Jefferson Peres, que afirmou ser essa uma situação constrangedora para os parlamentares da base governista e não para a oposição, que sempre se posicionou contrariamente à reforma previdenciária.

A senadora Serys Slhessarenko comprometeu-se a levar a proposta de obstrução da pauta do Senado à próxima reunião da bancada petista, que deve ocorrer na semana que vem. Além disso, afirmou que continuará fazendo pronunciamentos no plenário sobre a PEC. Sugeriu também que os representantes das entidades entrem em contato com os outros senadores e solicitem que seja dedicado um tempo em seus pronunciamentos para tratar da questão. "Acho totalmente absurdo o que está ocorrendo na Câmara. É desmoralizante para o Senado", afirmou.

O diretor de Assuntos Parlamentares do Unafisco, Pedro Delarue, conclamou os representantes das entidades a retomar o trabalho parlamentar, com o mesmo ímpeto com que foi realizado por ocasião da tramitação da EC 41, com uma pressão cotidiana, em especial sobre os parlamentares da Câmara dos Deputados, pois são eles que estão descumprindo o acordo feito no Senado.

Hoje, os representantes das entidades devem visitar os gabinetes dos senadores e deputados, mostrando-lhes o documento que propõe a obstrução da pauta do Senado. Os delegados da Polícia Federal, também presentes à reunião, informaram que fizeram essa solicitação aos senadores durante todo o dia de ontem.

INÍCIO

Lei de Falências deve ser votada em maio

O relator do PLC 71/2003, a Lei de Falências, senador Ramez Tebet (PMDB-MS), apresentou na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) na última terça-feira, dia 13, seu parecer à matéria. A expectativa é de que o projeto seja votado pela comissão na próxima semana e que chegue ao plenário do Senado em maio, após sua apreciação pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Foi feito um pedido coletivo de vistas ao substitutivo, o qual será analisado nas próximas três reuniões da CAE. A matéria terá de retornar à Câmara dos Deputados antes de ser promulgada.

Há mais de dez anos tramitando no Congresso, a nova Lei de Falências vem sendo criticada pelo Unafisco Sindical em função do tratamento desigual dado ao crédito tributário (público) em detrimento do crédito privado. O senador sugere que seja criado um mecanismo que permita o refinanciamento de créditos tributários para as empresas em regime de recuperação judicial.

O diretor-adjunto de Estudos Técnicos do Unafisco, José Maria Miranda Luna, lamenta que o projeto de lei que tramita no Senado continue prejudicial aos interesses da União. "Há mecanismos de diminuição do crédito tributário em favor dos créditos privados", denuncia, ao lembrar que a nova lei determina, entre outras coisas, o fim da sucessão tributária e trabalhista, ou seja, o empresário que assumir o controle acionário de uma empresa falida não fica mais responsável pelos créditos tributários e trabalhistas.

O parecer do senador Ramez Tebet está disponível no Quadro de Avisos.

INÍCIO

Impunidade e risco são discutidos em seminário sobre segurança no trabalho fiscal

O seminário Segurança no Trabalho Fiscal - Problema Individual ou Institucional?, aberto ontem, em Belo Horizonte, destacou a impunidade dos crimes cometidos contra os servidores do fisco nas três esferas e a necessidade de se encarar a profissão como situação de risco. O evento, promovido pelo Fisco Fórum Minas Gerais, discutirá, até sexta-feira, a questão e terá como resultado final um documento com sugestões de ações para o exercício do trabalho fiscal seguro, proteção dos agentes de fiscalização e apuração e punição dos crimes cometidos contra o fisco e o Estado.

A presidente do Unafisco Sindical, Maria Lucia Fattorelli, participou ontem do painel "A política de segurança do trabalho fiscal" e destacou, em sua palestra, a necessidade de se pontuar a discussão. "Não estamos discutindo apenas segurança fiscal. O problema está inserido no papel do Estado", afirmou.

O presidente da DS/BH, Benício Cabral, foi um dos palestrantes do segundo painel "Prevenção das agressões e ação penal". Em sua fala, ele destacou que a atividade fiscal está no meio de uma crise e deve mudar de paradigma. "Na semana passada, numa reunião do Fisco Fórum, foram relatadas, no mesmo dia, ameaças sofridas por um AFRF, por um fiscal estadual no sul de Minas Gerais, e por uma fiscal da Previdência mineira em Volta Redonda, no Rio de Janeiro", afirmou.

O volume de ameaças a servidores que atuam na fiscalização tem crescido e a análise dos participantes do seminário é que isso ocorre em função da falta de punição a crimes como a chacina de Unaí, que culminou com a morte de três fiscais do Trabalho e um motorista, quando investigavam denúncias de trabalho escravo em Unaí, noroeste mineiro. "Está na hora de parar de tentar tapar o sol com a peneira. O trabalho fiscal é de risco. Risco para a integridade física e para a vida do fiscal e mesmo de sua família", afirmou o presidente da DS.

Benício lembrou que os fiscais incomodam criminosos como sonegadores, contrabandistas, traficantes internacionais e os exploradores de mão-de-obra escrava no ponto onde eles são mais sensíveis: o bolso. Hoje, o seminário contará com mais dois painéis: "A segurança na atuação do agente fiscal" e "A ação policial na segurança dos fiscais", que terá a participação, entre outros, do procurador regional da República no Distrito Federal, Franklin Rodrigues da Costa e do superintendente da Polícia Federal em Minas Gerais, Geraldo Antônio Dias Guimarães.

Amanhã, os participantes do evento se dividirão em grupos de trabalho e participarão de oficinas que discutirão os temas dos painéis do evento. O resultado será o documento final do evento.

INÍCIO

Corrupção eleitoral é um problema de todos nós

O Unafisco participou na manhã de ontem do segundo dia do 2º Seminário Nacional de Juízes, Procuradores, Promotores e Advogados Eleitorais, promovido pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, do qual o Sindicato faz parte. "O Unafisco vai estar sempre ao lado dos que lutam contra qualquer tipo de corrupção, daí porque estamos entre os organizadores desse seminário", afirmou a segunda vice-presidente do Sindicato, Ana Mary da Costa Lino Carneiro, que mediou o painel "A atuação conjugada da sociedade civil, do Poder Legislativo, do Poder Judiciário e do Ministério Público na implementação dos instrumentos de combate à captação ilegal de sufrágio".

O palestrante do painel foi o juiz Dirceu Cintra Júnior, do 2º Tribunal de Alçada Civil de São Paulo, que atuou como juiz eleitoral nas eleições municipais em 1996. No seu depoimento, Dirceu Cintra contou como foi o surgimento do movimento que desembocou na elaboração da Lei 9840/99, instrumento usado hoje pela Justiça para punir, com a perda do mandato, quem compra votos ou abusa do poder econômico e político para interferir nos resultados das eleições. Único projeto de iniciativa popular a ser transformado em lei pelo Congresso Nacional, a Lei 9840/99 decorre de um movimento capitaneado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

Para o juiz, o movimento da CNBB proporcionou não só a criação da lei, como a conscientização política. "Permitiu que o eleitor se concientizasse de que vender o voto é ruim. De que o voto precisa ser usado contra os maus políticos e maus administradores, que usam o poder para atender seus interesses próprios", argumentou o juiz. Mais informações sobre o movimento contra a corrupção eleitoral podem ser obtidas na página www.lei9840.org.br

INÍCIO

Pressão política na Receita é destaque no jornal Estado de Minas

A matéria de ontem do jornalista Bernardino Furtado, do jornal Estado de Minas, destacou a mobilização dos AFRFs de Varginha (MG) contra a exoneração do delegado Maurício Mesquita de Carvalho, que teria deixado o cargo por pressões políticas no estado. A íntegra da matéria encontra-se anexa a este Boletim.

INÍCIO

Dados de natureza contábil e patrimonial devem ser enviados à DEN

As DSs Araçatuba (SP), Cumbica (SP), Governador Valadares (MG), Joaçaba (SC), Porto de Paranaguá (PR), Presidente Prudente (SP) e Uruguaiana (RS) ainda não enviaram os dados de natureza contábil e patrimonial à DEN, a fim de que seja consolidado o balancete anual do Unafisco Sindical. Reforçamos o pedido para que o façam o mais rapidamente possível. Além dessas informações, os colegas devem encaminhar também o parecer do Conselho Fiscal. Publicamos anexo o balancete parcial do Unafisco Sindical referente aos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro de 2003.

INÍCIO

 

DIRETORIA EXECUTIVA NACIONAL

 

ESPAÇO DAS DSs

Dia de intensa mobilização no Pará

O Dia da Resposta, programado pela Coordenação Nacional das Entidades de Servidores Públicos (Cnesf) para ontem, foi marcado por um ato público que reuniu cerca de 400 trabalhadores em Belém (PA). A concentração foi em frente ao Ministério da Fazenda, em solidariedade à greve dos AFRFs.

Professores universitários, policiais federais, procuradores da Fazenda Nacional, servidores da Seguridade Social, do Incra, madeireiros (denunciando o trabalho escravo no sul do Estado), trabalhadores da construção civil, da telefonia e bancários engrossaram a marcha que sucedeu ao ato, finalizando-a em frente ao prédio do INSS, onde os servidores também estão em greve. "O eixo de nossa greve no Pará é a denúncia do presidente Lula como o algoz dos aposentados, e a luta pela paridade já, pela incorporação das gratificações e pela proposta salarial de equiparação ao Ministério Público", declarou Iranilson Brasil, secretário-geral da DS/Pará e diretor de Relações Intersindicais da DEN.

INÍCIO

DS/RJ e Comando de Mobilização organizam paralisação no Rio

Durante todo o dia de ontem, a diretoria da DS/RJ e o Comando de Mobilização, que está voltando a se articular esta semana, estiveram no Aeroporto Internacional do Galeão discutindo como organizar a paralisação naquela unidade. No local, os AFRFs montaram um Comando de Greve, em atividade desde o dia da assembléia. Para ampliar a participação no próprio Comando e para preparar atos e caravanas internas de apoio à área aduaneira, os AFRFs percorreram também as salas do Ministério da Fazenda. Por enquanto, a paralisação no Rio é parcial, mas a expectativa da DS/RJ é de que nos próximos dias, com as atividades de organização, as paralisações se intensifiquem ainda mais, refletindo o expressivo resultado da última assembléia - mais de 400 AFRFs compareceram -, quando foi rejeitada a proposta do governo por 95% dos presentes e, com mais de 80% dos votos, foram mantidas as paralisações desta e da próxima semana.

INÍCIO

Ato público mobiliza AFRFs e advogados públicos em Fortaleza

O segundo dia de greve em Fortaleza foi marcado pela realização de um ato público em frente ao edifício sede do Ministério da Fazenda, em conjunto com os integrantes das carreiras da Advocacia Pública Federal (advogados da União, procuradores da Fazenda Nacional, procuradores federais e defensores públicos), que completaram ontem um mês de paralisação por tempo indeterminado.

Os AFRFs reafirmaram a sua intransigência com a quebra da paridade e repudiaram qualquer forma de reposição de perdas salariais que esteja vinculada a eventual incremento de arrecadação, tanto pela incerteza e precariedade da sua percepção como pelo absurdo que representaria aumentar ainda mais a carga tributária brasileira, que já atinge níveis escorchantes. Os auditores frisaram ainda que exigem respeito à Constituição e o fortalecimento da Receita Federal como órgão de Estado para o efetivo combate aos sonegadores e em defesa da sociedade brasileira.

INÍCIO

AFRFs de Coronel Fabriciano divulgam resoluções da assembléia

Os AFRFs lotados na DRF Coronel Fabriciano (MG) aprovaram, na Assembléia Nacional do último dia 13, uma mensagem à categoria justificando o posicionamento deles em relação à mobilização. O documento, enviado à DEN pelo representante sindical da DRF, Wellington Oliveira Soares, encontra-se anexo.

INÍCIO

DS/Uberaba manifesta-se sobre não-votação de indicativos em assembléia

Por discordarem da forma de paralisação e de condução do movimento, os AFRFs de Uberaba (MG) presentes à última assembléia não votaram os indicativos. Os colegas também decidiram não paralisar as atividades nesta semana. O documento aprovado na assembléia de terça-feira, em que se explica a posição dos AFRFs de Uberaba, segue anexo.

INÍCIO

Assembléia em Salvador reúne número recorde de colegas

Os AFRFs de Salvador, Ilhéus, Feira de Santana e Camaçari rejeitaram maciçamente a proposta apresentada à categoria, principalmente pelo desrespeito ao princípio constitucional da paridade e por discordar da base para a aferição da GIA (avaliação de desempenho individual, regional e nacional). A assembléia contou com ampla cobertura da imprensa local.

Os AFRFs em greve concentraram-se ao lado do Ministério da Fazenda e fizeram o Plantão Fiscal do Imposto de Renda 2004, sanando dúvidas do contribuinte. Ontem, no final da manhã, os AFRFs, participaram de ato público na Praça da Piedade, com os demais servidores filiados aos sindicatos que compõem a Coordenação Estadual dos Servidores Públicos Federais. O ato marcou mais um dia nacional de luta pela campanha salarial.

II Congresso Brasileiro de Seguridade Social - A DS/Salvador efetuou, até ontem, 15 inscrições para II Congresso Brasileiro de Seguridade Social. As inscrições para o evento se encerram às 17 horas da próxima segunda-feira, dia 19.

INÍCIO

DS/Maranhão celebra Páscoa com café-da-manhã

Uma missa celebrou a Páscoa dos associados da Assefaz e da DS/Maranhão, que se reuniram, após o ato religioso, num café-da-manhã. Após a refeição, os colegas formaram um grupo coordenado por terapeutas ocupacionais e participaram de dinâmicas e do sorteio de alguns prêmios.

 

INÍCIO

 

Nota de Coronel Fabriciano

Estado de Minas

Unafisco na mídia

Nota da DS Uberaba

Balancete Setembro

Balancete Outubro2003

Balancete Novembro2003

Balancete Dezembro2003

 

 

Mobilização ganha ainda mais força de norte a sul do país

Análise revela que projeto de lei do governo é pior do que o esperado

Governo fez proposta medíocre para AFRFs, enquanto arrecadação aumenta 15,63% em março

Relação remuneratória muda com a proposta


DEN participa hoje de duas reuniões com os colegas em São Paulo
UNAFISCO NA MÍDIA
Paralisação dos AFRFs é destaque na mídia em todo o país

Cnesf analisará relatório do FNT em seminário

PEC PARALELA
Senadores reforçam estratégia de obstrução da pauta

Lei de Falências deve ser votada em maio

Impunidade e risco são discutidos em seminário sobre segurança no trabalho fiscal

Corrupção eleitoral é um problema de todos nós

Pressão política na Receita é destaque no jornal Estado de Minas

Dados de natureza contábil e patrimonial devem ser enviados à DEN

Espaço das DSs
Dia de intensa mobilização no Pará

DS/RJ e Comando de Mobilização organizam paralisação no Rio
Ato público mobiliza AFRFs e advogados públicos em Fortaleza
AFRFs de Coronel Fabriciano divulgam resoluções da assembléia
DS/Uberaba manifesta-se sobre não-votação de indicativos em assembléia
Assembléia em Salvador reúne número recorde de colegas
DS/Maranhão celebra Páscoa com café-da-manhã

 
 

Boletim em
formato word