-->


Home
Brasília, 26 de maio de 2003

ANO VIII

Nº 1392

 

 

Categoria já tem calendário de mobilização

Trabalho parlamentar, caravanas, paralisações semanais e por tempo indeterminado são as armas propostas pela Direção Nacional do Unafisco a todos os AFRFs para o enfrentamento da reforma da Previdência. Um cronograma de mobilização contemplando todas essas formas de luta foi apresentado pela DEN e aprovado pelo Conselho de Delegados Sindicais na reunião das últimas quinta e sextas-feiras, em Brasília. A proposta final aprovada pelo plenário incorpora proposições apresentadas pelas DSs do Rio de Janeiro, Paraíba e Belo Horizonte.

O cronograma já prevê a realização do trabalho parlamentar ampliado a partir de hoje, até sexta-feira. Na próxima semana, além de reforçar a pressão sobre deputados e senadores nas bases e com uma caravana a Brasília, os AFRFs serão chamados a paralisar suas atividades nos dias 3 e 4. Nos dias 11 e 12, está prevista mais uma paralisação, com caravana a Brasília e trabalho parlamentar nas bases. Para o dia 18 de junho, está previsto o início de uma paralisação por tempo indeterminado. Todas essas formas de mobilização deverão ser referendadas em Assembléia Nacional na próxima quinta-feira.

No boletim de amanhã você conhecerá mais detalhes sobre as deliberações do CDS.

INÍCIO

Cronograma aprovado

26 a 30 de maio- Trabalho parlamentar ampliado

3 e 4 de junho - Paralisação, caravana a Brasília e trabalho parlamentar nas bases.

11 e 12 de junho - Paralisação, caravana a Brasília, trabalho parlamentar nas bases.

18 de junho - Paralisação por tempo indeterminado

INÍCIO

Reforma da Previdência:
Fim da "regra de transição" será mais um prejuízo para os servidores

Uma perda de até 35% no valor da aposentadoria poderá ser imposta a um grande número de servidores públicos, caso a proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo federal seja aprovada. A PEC 40 mantém as idades mínimas para a aposentadoria aos 55 (mulheres) e 60 anos (homens), já impostos pela Emenda Constitucional 20, de 1998. Além disso, pretende alterar a "regra de transição" que, até hoje, permite que os servidores que ingressaram no funcionalismo antes da instituição dessa idade mínima, se aposentem após 30 (mulheres) ou 35 anos (homens) uma vez que já tenham completado 48 anos de idade (mulheres) ou 53 anos (homens), e desde que cumpram um "pedágio" correspondente a 20% do tempo que faltava para a sua aposentadoria em dezembro de 1998.

A alteração nas regras de transição representará uma perda de 5% para cada ano antecipado na aposentadoria de quem pretender aposentar-se antes dos 55 ou 60 anos, cumpridos os demais requisitos. Como a diferença entre a idade mínima para a aposentadoria e a idade hoje permitida - observado o "pedágio" - é de sete anos, os servidores poderão perder até 35% no valor de seus benefícios, caso queiram aposentar-se antes da idade limite.

A aprovação da PEC 40 significará que todos os servidores públicos brasileiros terão que atingir a idade mínima para ter direito à aposentadoria "integral", não importando a idade com que tenham começado a contribuir.

INÍCIO

Chapas das Delegacias Sindicais

Os nomes dos colegas que concorrem às eleições na DS de Foz do Iguaçu (PR) encontram-se anexos.

INÍCIO

 

DIRETORIA NACIONAL

 

Chapas Eleições 2003 Foz do Iguaçu

 

 

 

 

 

 

 

 

Cronograma aprovado
Reforma da Previdência:
Fim da "regra de transição" será mais um prejuízo para os servidores
Chapas das Delegacias Sindicais

 

 

Boletim em
formato word