-->


Home
Brasília, 27 de junho de 2003

ANO VIII

Nº 1415

 

 

A mobilização se amplia

Por todo o Brasil os AFRFs realizaram, nos últimos dois dias, manifestações contra essa reforma da previdência em unidade com outras categorias de servidores públicos. A exemplo do que ocorre em outros países, os servidores brasileiros também estão expressando sua indignação contra uma proposta de reforma que, se implementada, agravará ainda mais a já precária capacidade do Estado em prestar à sociedade os serviços necessários a sua manutenção.

Não se trata, portanto, de uma luta cujo resultado, em sendo favorável aos servidores, representaria prejuízo para o resto da população brasileira, como quer fazer crer a campanha organizada pelo governo, com a aprovação e o auxílio do setor financeiro.

Sem dúvida que se cuida da defesa de direitos arduamente conquistados, em longas jornadas, pelos trabalhadores do serviço público. Entretanto, esses direitos são uma parcela das conquistas do conjunto dos trabalhadores, uma parcela dos direitos da população, que deve ter acesso a serviços públicos de qualidade providos pelo Estado. Não digam os bem remunerados defensores do neoliberalismo, em suas constatações destituídas de fundamentação, que os serviços públicos não atendem às necessidades da população; não atendem justamente em razão das políticas, de resultado social caótico, defendidas por essa doutrina unicamente preocupada com a lucratividade do capital financeiro.

Já enfrentamos antes essa proposta de reforma quando propugnada diretamente pelo governo neoliberal. Saberemos enfrentá-la também nessa oportunidade, para lembrar a um governo eleito pelos trabalhadores que votamos na esperança, e não no medo.

INÍCIO

Servidores realizam ato público em Ponta Grossa

Os auditores-fiscais lotados na DRF em Ponta Grossa (PR) participaram na manhã de ontem de um ato público contra a proposta de reforma da previdência que tramita no Congresso Nacional, realizado na praça central da cidade. A manifestação foi organizada pela DS local, em conjunto com outros sindicatos e categorias de servidores públicos federais e estaduais. Cerca de 150 servidores da Receita Federal, do INSS, da Justiça Federal, professores do Cefet/PR e auditores-fiscais do Estado participaram da manifestação.

Os diversos representantes das categorias revezaram-se no palanque, explicando à população os motivos do protesto e desmistificando os argumentos que têm sido usados pelo governo para justificar a reforma. O ato contou ainda com o apoio do sindicato dos servidores públicos municipais, embora o município não possua regime próprio de previdência. A manifestação foi encerrada com uma passeata dos servidores, que portavam faixas de protesto, passando pelo "calçadão" da cidade até o terminal rodoviário urbano.

Nos dois dias de paralisação desta semana, a DRF de Ponta Grossa permaneceu fechada para o atendimento ao público, uma vez que os servidores administrativos e os técnicos da Receita Federal aderiram ao movimento. Além do ato público realizado ontem, os servidores da DRF fizeram panfletagem na porta da delegacia esclarecendo os motivos da paralisação.

A manifestação conjunta dos servidores em Ponta Grossa representa um grande salto de qualidade na mobilização naquela cidade, demonstrando que existe indignação e disposição suficientes nas diversas categorias dos servidores para enfrentar a reforma da previdência, da maneira como esta se apresenta.

INÍCIO

Grande ato público marca Dia Nacional de Protesto em Fortaleza

As escadarias do Edifício-sede do Ministério da Fazenda serviram de palco, ontem, para a realização de uma grande manifestação de trabalhadores do setor público e da iniciativa privada em protesto contra a reforma da previdência. No ato que marcou o segundo dia de paralisação da Receita Federal, os trabalhadores denunciaram a submissão do atual governo aos ditames do FMI.

Ao evento estiveram presentes, além dos auditores, técnicos e servidores administrativos da Receita Federal, representantes do Sintsef, Sinal, Sintaf, Sinje, Adufc, Condsef, Sinprofaz, Unacon, Sindait, Sindiute, Atefece, Asnab, Sinasef, Ansarf, Sindicato da Construção Civil, Sindicato da Indústria de Calçados e Movimento Estudantil.

INÍCIO

Catarinenses se mantêm firmes na mobilização

Em Santa Catarina, os AFRFs mostraram que o protesto contra as propostas de reforma no sistema previdenciário deve ser constante, pois somente dessa maneira os servidores poderão reverter a situação desfavorável em que se encontram e mudar o jogo montado no Congresso Nacional. Nos dois dias de paralisação, quase toda a categoria daquele estado aderiu à mobilização.

Em Florianópolis, os AFRFs paralisaram suas atividades nas três unidades da Receita Federal e distribuíram material informativo para a população, esclarecendo que os servidores públicos não são os responsáveis pelas mazelas do sistema previdenciário, conforme vem sendo divulgado nos meios de comunicação. No Porto de Itajaí, não houve desembaraço de mercadorias, e a adesão ao movimento foi de 100%. Em Joinville, mais de 90% dos colegas participaram das atividades programadas pela DS local.
Na cidade de Blumenau, a mobilização alcançou a mesma proporção, e o movimento também foi realizado em conjunto com os técnicos. Em São Francisco do Sul, o movimento é conjunto, e não está havendo recepção de documentos nem desembaraço de mercadorias.

INÍCIO

Comissão de Mobilização aumenta participação de AFRFs no Rio

As reuniões setoriais com colegas e administradores das diversas unidades da Receita Federal no Rio de Janeiro conseguiram incrementar a participação na Assembléia Nacional de ontem, que reuniu em torno de 220 auditores. Apesar do número estar longe do ideal, a comissão constatou o fortalecimento do movimento no Porto e em outras unidades da Receita Federal no Rio. No Aeroporto do Galeão, as companhias aéreas tentaram dificultar o movimento, impetrando mandado de segurança para garantir o desembaraço das mercadorias.

INÍCIO

Ato integrado de servidores no Rio reúne 3 mil

Os servidores públicos federais, estaduais e municipais do Rio de Janeiro reuniram cerca de 3 mil pessoas no centro da cidade, numa grande manifestação pela retirada da PEC 40 da pauta do Congresso. Os servidores concentraram-se às 16 horas na Candelária e saíram em passeata até a Cinelândia.

Segundo a Comissão de Mobilização da DS/Rio de Janeiro, cerca de 100 AFRFs participaram da passeata. Eles se concentraram na Candelária, logo após a realização da Assembléia Nacional, e uniram-se aos TRFs e aos PCCs, que também aderiram ao movimento e já estavam no local.

A senadora Heloísa Helena (PT-AL) e os deputados federais Luciana Genro (PT-RS), Babá (PT-PA) e João Fontes (PT-SE) também acompanharam a passeata, tendo sido bastante aplaudidos pelos servidores. Os parlamentares estão sofrendo pressões do próprio partido, que os orienta a votar favoravelmente às propostas apresentadas pelo governo federal.

INÍCIO

Trabalho parlamentar é fundamental para barrar reforma da previdência

Apenas um trabalho de convencimento muito forte nas bases e o envolvimento de vereadores, prefeitos, deputados estaduais, federais e senadores serão capazes de resistir à pressão do governo para que seja aprovada a PEC 40/03. A afirmativa foi feita pelo deputado federal Ivan Ranzolin (PP-SC), um dos vice-presidentes da Comissão Especial da Reforma da Previdência, em encontro com representantes da DS/Joaçaba e do Sinditten local, no último dia 20, em Lages.

O parlamentar destacou a importância do trabalho conjunto dos servidores para combater com eficácia o que considera um "rolo compressor e opressor" do governo para aprovar a reforma. Para ele, o maior avanço pode ser obtido por meio de emendas, respaldadas por um trabalho parlamentar que se origine nas bases.

INÍCIO

Receita Federal paralisada no Espírito Santo

Os AFRFs de Vitória (ES), em conjunto com os técnicos da Receita Federal e os PCCs, paralisaram ontem as atividades no Porto, na Eadi, na Alfândega, no Aeroporto e na DRF daquele município. A adesão ao movimento foi de quase 95%. Os colegas realizaram um ato público que impossibilitou o atendimento ao público no edifício-sede do Ministério da Fazenda em Vitória na manhã de ontem.

Os auditores do Ministério do Trabalho também participaram do protesto, demonstrando que a luta contra a PEC 40/03 e em defesa da previdência do servidor público precisa ser feita por todos.

INÍCIO

"Arrastão" em Goiânia

Um pouco antes do início da assembléia de ontem, um grupo de AFRFs, de TRFs e servidores do PCC de Goiânia (GO) percorreram todos os andares do prédio da DRF, realizando um verdadeiro "arrastão". Na ação, foi constatado o quanto os colegas estão dispostos a engajar-se nas lutas contra as mudanças nas regras do sistema previdenciário dos servidores públicos. Nos dois dias de paralisação não houve nenhum tipo de atendimento ao público, tanto na DRF/Goiânia quanto nas agências a ela jurisdicionadas. Em Anápolis (GO), a paralisação não foi total, mas também comprometeu o atendimento ao público.

INÍCIO

Santos realiza ato público e promove ação social

"Que reforma da previdência é essa, que joga a aposentadoria pública na privada"? Esses eram os dizeres de uma das faixas abertas pelos AFRFs de Santos (SP) no protesto contra a reforma da previdência, realizado em frente ao prédio da Alfândega. Os colegas aproveitaram a ocasião para promover uma ação social, arrecadando agasalhos que serão doados a entidades assistenciais da localidade.

O evento contou com a presença de servidores municipais, dos fiscais do INSS, dos trabalhadores do Judiciário Federal, da Justiça do Trabalho, dos fiscais estaduais e da Associação dos Magistrados do Brasil. Em outra faixa, os servidores mandam um recado direto aos parlamentares: "Sr(a) deputado(a): dê um tempo! por que a pressa? Reforma da previdência é coisa séria". O evento teve uma excelente repercussão na mídia regional.

INÍCIO

DS/Cuiabá denuncia apoio de banqueiros à PEC 40

Segundo o presidente da DS/Cuiabá, Almerindo Botelho, a reforma da previdência é interessante para os banqueiros, pois estes já calcularam que algo em torno de R$ 710 milhões seriam colocados no mercado por intermédio dos fundos de pensão. "É por isso que os banqueiros estão apoiando a reforma", ressaltou Botelho durante a manifestação realizada em frente ao prédio da Receita Federal de Cuiabá (MT).

Os AFRFs da capital matogrossense realizaram intensa panfletagem nesses dois dias de paralisação. O movimento foi realizado em conjunto com os TRFs e inviabilizou o funcionamento da Receita Federal naquele município. A adesão em Cuiabá foi de 100%. Os colegas enviaram material informativo para toda a imprensa local, que também esteve presente nas manifestações organizadas pelos servidores.

INÍCIO

Parlamentares de Campo Grande recepcionados por servidores na volta para casa

Os deputados federais e os senadores de Campo Grande (MS) foram recepcionados ontem à noite, no aeroporto daquela cidade, por servidores públicos que fazem parte do Movimento Sul-Matogrossense de Defesa da Previdência Pública, quando voltavam para suas casas, vindos de Brasília. Foram formadas duas turmas, com mais de 100 servidores, que se revezaram na atividade, de acordo com o horários dos vôos oriundos da capital federal. Os colegas portavam camisetas com os dizeres: "Previdência não é mercadoria, é um direito", além dos cartazes e das faixas contrários à PEC 40.

Não houve expediente na Receita Federal em Campo Grande nos dois dias, tendo os colegas realizado o "plantão cidadão", montado sob uma tenda armada na entrada do prédio da RF, onde eram dirimidas algumas dúvidas de contribuintes, que eram esclarecidos na ocasião sobre os motivos da paralisação. A mobilização em Campo Grande foi realizada junto com os TRFs e os PCCs, que também paralisaram suas atividades. O movimento também recebeu o apoio do Sindsep/MS, que participou de toda a mobilização.

INÍCIO

Atos públicos marcam a mobilização em Natal

Cerca de 90% dos AFRFs de Natal (RN) participaram do movimento nacional da categoria, que definiu a paralisação das atividades por 48 horas na quarta e na quinta-feiras. Os TRFs e os PCCs também paralisaram suas atividades. Foram realizados atos públicos nos dois dias de manifestação.

Os colegas reuniram-se na manhã de quarta-feira para estudar a PEC 40 e, à tarde, realizaram um ato público na sede da DRF em Natal, que contou com a participação de TRFs, PCCs, bem como de servidores da Procuradoria da Fazenda e da GRA-RN. Os servidores ouviram uma palestra sobre o projeto de reforma da previdência, proferida pelo presidente da DS/RN, Guilherme Parente.

Ontem, o Movimento dos Servidores Públicos Federais, Estaduais e Municipais do Rio Grande do Norte em Defesa de uma Previdência Pública realizou um ato público em frente à Assembléia Legislativa, que contou com a participação de 25 entidades de servidores públicos.

INÍCIO

AFRFs mineiros fazem pesquisa de opinião

Os AFRFs mineiros realizaram ontem uma pesquisa de opinião direcionada para os eleitores do atual presidente. As pessoas que declaravam ter votado em Lula eram indagadas se assim fariam caso soubessem, antes das eleições, que ele apresentaria essa proposta de reforma da previdência. Segundo os colegas mineiros, 93% dos inquiridos respondeu que não.

A pesquisa foi realizada durante o ato público contra a reforma da previdência, realizado em frente ao prédio do Ministério da Fazenda, em Belo Horizonte. O ato, que contou também com servidores de outras categorias, reuniu mais de 300 servidores.

INÍCIO

São José dos Campos totalmente parado

A Delegacia da Receita Federal de São José dos Campos (SP) paralisou totalmente ontem, no segundo dia de paralisação contra a reforma da previdência. A adesão dos AFRFs e TRFs ao movimento foi de 100%, o que impossibilitou o funcionamento dos trabalhos naquela localidade.

INÍCIO

Galeria da mobilização

Publicamos, em arquivo anexo, uma galeria com fotos da mobilização em várias localidades do país.

INÍCIO

 

DIRETORIA NACIONAL

 

Galeria com fotos da mobilização em várias localidades do país

 

 

 

 

 

 

 

 

Servidores realizam ato público em Ponta Grossa
Grande ato público marca Dia Nacional de Protesto em Fortaleza
Catarinenses se mantêm firmes na mobilização
Comissão de Mobilização aumenta participação de AFRFs no Rio
Ato integrado de servidores no Rio reúne 3 mil
Trabalho parlamentar é fundamental para barrar reforma da previdência
Receita Federal paralisada no Espírito Santo
"Arrastão" em Goiânia

Santos realiza ato público e promove ação social

DS/Cuiabá denuncia apoio de banqueiros à PEC 40
Parlamentares de Campo Grande recepcionados por servidores na volta para casa
Atos públicos marcam a mobilização em Natal
AFRFs mineiros fazem pesquisa de opinião
São José dos Campos totalmente parado
Galeria da mobilização

 

 

Boletim em
formato word